terça-feira, 24 de novembro de 2015

Afonso Dotti


Nascido em Villa Segredo, distrito de Vacaria (RS), em 2 de junho de 1898, era filho de José Dotti e Lucila Canã Dotti, oriundos de Mantova, norte da Itália, onde vieram e se estabeleceram na serra Rio Grande do Sul, cultivando e vendendo produtos. Ainda cedo, o menino Afonso já mostrava suas habilidades nos relacionamentos interpessoais. Jovem garboso e entusiasta encontrou a também Italiana Lúcia Mondadori, nascida em 2 de maio de 1900, era filha de Giacomo Mondadori e Vitalina Anzilieiro Mondadori, imigrantes de Milão, Norte Italiano.

O casal Lúcia e Afonso Dotti morava em Villa Segredo e ficaram conhecidos por sua garra e determinação pela vida. Afonso foi vereador daquela localidade, juntos formaram uma linda família com sete filhos Italo, Valter, Clovis, Lucila, Enedina, Gloria e Américo.

Sócios nas suas atividades em Villa Segredo, da Família Golim, que tinha o desejo de procurar terras com pinhais para montar uma serraria, desbravaram a serra para os pagos de Caçador, porém, antes de chegarem ao destino, Golim encontrou as terras idealizadas em Brunópolis, antigo Palmares, e acionou seu sócio Afonso Dotti a vir, alegando ainda, haver espaço para casas comerciais por aqui, sendo que Curitibanos só contavam com a distinta loja de Felisbino Ortiz, que vendia secos (Tecidos, rendainhas, louças, panelas, ferragens entre outros) e a grande loja de Napoleão Sbravati que vendia molhados (Alimentos em geral, bebidas, fumo, grãos, entre outros).

Aproveitando a oportunidade de negócio, chegaram de mudança em Curitibanos, em 10 de novembro de 1943, onde imediatamente adquiriram os imóveis ao lado da conhecida Praça dos Dotti, denominada Praça Nereu Ramos, recentemente revitalizada. A aquisição, um grande casarão que, na época, estava sendo construído para abrigar um hospital. No casarão abriram uma grande loja, inovando com a união dos produtos de secos e molhados, criando conta corrente para os consumidores que pagavam mensalmente e alguns, ao término da safra ou na venda do gado. Havendo clientes que chegavam a fazer compras das necessidades familiares apenas uma vez por ano, visto que era comum a estocagem de produtos.

Trabalharam duramente e prosperaram de forma significativa, chegando a adquirir popularidade regional, apelidando a Praça Nereu Ramos, de Pracinha dos Dotti, até hoje todos se referem dessa forma ao local. A praça era cercada por arame e tinha lugar especial para amarrar os animais com seus cargueiros. 

A família se multiplicou com casamentos e nascimento de netos, alguns filhos foram embora e outros permaneceram trabalhando dedicadamente com os pais na loja.
Italo Dotti se casou com Heloísa Caetano, Valter Dotti se casou com Zélia Scur, Clovis Dotti se casou com Regina, Lucila Dotti se casou com Ângelo Gressim, Enedina Dotti se casou com Vilin França, Gloria Dotti se casou com Rui Pain e Américo Dotti se casou com Frida Larvem.

Podemos afirmar que dona Lúcia Dotti foi uma empreendedora e seu Afonso Dotti foi um homem de visão, coragem e honestidade, um casal exemplo de bravura diante ao novo. Ele chegou a ser vereador em Curitibanos e também candidato a prefeito.
Ela partiu muito cedo, com apenas 65 anos, em 1965, assolada por um câncer no fígado e ele, depois de 3 anos, também partiu com um infarto fulminante, alterando assim, um pouco o curso da história. Alguns de seus filhos deram continuidade a Comercial Dotti e outros voltaram seus interesses a outros setores, em 1 de janeiro de 1975, a loja encerra suas atividades. Seu filho Valter e sua esposa Zélia ainda se mantiveram no setor, fazendo alguns ajustes ao cardápio de produtos da antiga loja, com a famosa e tradicional Casa das Cortinas a qual é ícone comercial em nossa cidade.
A honrada família Dotti realmente fez história por aqui, trouxeram novidades e desenvolvimento, participando efetivamente do dia a dia de cada curitibanense.

Créditos do texto Jornal A Semana

Nenhum comentário:

Postar um comentário