terça-feira, 21 de maio de 2013

João Popinhak



Nas páginas da tradição em que figuram as personalidades que marcaram a evolução histórica de Curitibanos, merece inclusão à figura largamente conhecida e inesquecível de João Popinhak.
João nasceu na Ucrânia, no ano de 1886, com oito anos de idade, ou seja, em 1894, acompanhando seus pais, veio para o Brasil, juntamente com uma leva de emigrantes. Desembarcaram num porto do Estado do Rio de Janeiro, permanecendo no local aguardando oportunidade para viajarem para o Estado do Paraná, onde se localizaria na Colônia Antonio Olinto, município de Três Barras.
Durante a permanência no Estado do Rio de Janeiro, grandes dificuldades atormentaram aquela gente que, embora sob a proteção do governo brasileiro, eram mal e precariamente atendidos em suas necessidades. Faltava-lhes o mínimo de conforto e condições de higiene e de alimentação, sobrevindo daí grave epidemia que, espalhando atribulações e sofrimentos acabaram por dizimar com a morte de grande parte desses destemidos emigrantes.
A família Popinhak, felizmente, escapara sã e salva da devassadora acometida da epidemia, guardando, porém, indelével as trágicas recordações dos acontecimentos.
Chegados à colônia paranaense, o casal Popinhak e o menino João, dedicaram-se as lides da agricultura e da erva-mate.
João era o filho mais velho da família, que mais tarde se tornara numerosa, exigindo dos pais que eram pobres, grandes esforços e dificuldades para a sua manutenção.
Nessa época costumava fazer passagens pelo local, o tropeiro Francisco Carvalho, vulgo Chico Ruivo, de Curitibanos, lá fazendo os seus pernoites ou sesteadas e fazendo assim, relações de amizade com a família Popinhak.
O menino João, serviçal e ativo, era alvo da atenção do tropeiro que certo dia resolveu convidá-lo para vir morar em Curitibanos. O menino alegrou-se com a perspectiva da aventura e, com o consentimento dos pais, veio morar com Chico Ruivo, onde fora admitido como membro da família. Tinha, então, a idade aproximada de 10 a 12 anos. Na casa de seu novo pai de adoção João Popinhak, graças aos seus pendores para o trabalho e suas dignas qualidades morais, granjeou no mais alto grau, a simpatia, a confiança e a estima da família Carvalho em cujo seio cresceu e formou a sua personalidade. Ali trabalhava nas lides da fazenda, tendo sido mais tarde encarregado dos próprios negócios do seu amo, conduzindo tropas de cargueiros, geralmente para o litoral do Estado, onde vendia, trocava e comprava mercadorias, fazendo todo gênero de negócios, sempre lucrativos, merecendo cada vez mais a consideração da família em que vivia.
Era de arrebatar o espírito, o relato que fazia dessas viagens, através de caminhos quase intransitáveis, enfrentando intempéries varando campos e matos onde a ferocidade dos índios era um perigo constante. Várias caravanas de tropeiros foram dizimadas pelos bugres naqueles tempos. João Popinhak, entretanto, segundo ele, já era conhecido dos indígenas e, como jamais lhes fizera mal, era por eles respeitado. Via os bugres, conforme dizia escutava suas vozes e os cumprimentava gesticulando em demonstrações pacíficas, tratando-os de ‘compadres’ em voz alta que reboava na mata. Parece que os índios entendiam o sentido daquelas manifestações e respondiam com outros gritos selvagens. E a tropa passava calmamente e sem problemas. E fez muitíssimas vezes essas viagens arriscadas, transpondo a “serra dos Pires”, o lugar mais habitado pelos bugres e mais propício aos seus costumeiros ataques traiçoeiros, onde se verificavam trincheiras que denunciavam esperas de tocaia que eram cortadas a facão para se abrir à passagem para a tropa. Quantas e quantas noites pousavam em lugares infestados pelos selvagens, em plena mata, montando guarda ao acampamento para prevenção contra possível assalto dos bugres que rondavam o pouso, cujos vultos apareciam por vezes entre as clareiras da mata assustando os animais e enchendo de apreensões os tropeiros.
Popinhak contava as histórias dessas viagens como ocorrências saudosas nas passagens de sua vida.
Nos serviços da fazenda, Popinhak era um braço hábil e forte. Afora as viagens de negócios, quando se encontrava em casa, além de cuidar dos serviços gerais da vida do sítio, dedicava-se ainda e com rara habilidade a confecção de cestos, bruacas e cangalhas. Mais tarde, passou a construir ranchos, galpões e casas residenciais, tornando-se, com o correr do tempo, um exímio artífice da madeira trabalhada. Foi recatado carpinteiro, hábil marceneiro e verdadeiro arquiteto nas construções de alvenaria. Várias construções ainda hoje existentes na cidade de Curitibanos, como a casa localizada a Rua Cel. Vidal Ramos, 380, e no interior do Município, inclusive a primeira superintendência municipal, são obras que atestam a sua capacidade de trabalho e que por muitos anos ainda marcarão a passagem de Popinhak por Curitibanos.
A sua capacidade de trabalho e seu pendor artístico proporcionaram-lhe a independência e o tornaram conhecido e popular em todo o município e até fora dele, sendo muito solicitado por todos que dele precisavam para a execução de serviços de sua especialidade.
Em 1911, casou-se com Laura Quadros de Andrade, filha de Salustiano Pinto de Andrade e Queribuna Quadros de Andrade, tradicional família curitibanense.
Morou em Curitibanos por muitos anos, vindo a transferir residência para localidade de Marombas, onde se instalou com casa de comércio e hotel, cuidando, ainda, da balsa, por ele construída, que dava passagem sobre o Rio Marombas. Seu hotel era muito frequentado, pelo clima acolhedor que ali reinava, reflexo da simpatia do casal proprietário, pelas boas camas, com cobertas de penas e pela excelente comida preparada pelas mãos hábeis de Dona Laura.
Mitomaníaco, inveterado, Popinhak tornou-se célebre pelas mentiras que tão graciosamente sabia pregar. Suas petas, tão habilmente arquitetadas ganharam nome e se passavam de boca em boca, fixando-se como assuntos alegres das conversas populares. Tinha ele um jeito todo especial de contá-las e o fazia com toda seriedade, despertando o interesse do ouvinte que o escutava série e atento. Caindo na realidade após o desenlace da estória, uma risada tardia, ainda tímida, mas alegre aflorava nos lábio do ouvinte, enquanto que Popinhak, tentando manter a austeridade deixava transparecer no semblante de um riso mal contido.
Quem não conhece, entre os curitibanenses, a famosa patranha do revolver de Nereu Ramos? O governador Nereu Ramos perdera nas águas do Rio Marombas, um revolver que lhe caíra das mãos quando o experimentava sobre a ponte, quando por ali passava de uma viagem que fazia ao interior do Estado. Certo tempo depois, João Popinhak, pescando uma grande traíra, encontrou no seu bucho, o revolver do governador. Queixava-se, todavia, porque, tendo devolvido o revolver, não recebera do seu dono nem uma simples palavra de agradecimento.
De outra feita, pela ocasião da guerra dos fanáticos, diante da ameaça de que os jagunços iriam incendiar a cidade, Popinhak fugiu com a família, indo morar na localidade de Aquidaban (Hoje, Apiúna), onde morou por vários anos.
Ao sair de Curitibanos, vendeu todo o gado que possuía, levando consigo os animais de montaria, deixando vazio um potreiro, bem fechado com arame farpado, para cuja cerca tinha aproveitado como palanques os pinheiros novos que ali existiam com abundância. Anos mais tarde, quando voltava a sua velha propriedade Popinhak procurou o potreiro para ver em que estado se encontrava, mesmo porque pretendia colocar os animais que trazia. Não conseguiu localizar o que procurava, pois não encontrou nem o potreiro, nem a cerca. Ficou pasmado, pois o vestígio de um velho caminho identifica o local como sendo ali mesmo. Olhou e re-olhou, rebuscou e nada de cerca. Desanimado, volveu o olhar para o alto e lá viu, ainda em perfeita ordem, a cerca de arame nas pontas dos pinheiros que havia crescidos.
Eram dessa ordem as suas estórias, com as quais granjeou simpatia e popularidade a ponto de atrair visitas que propositadamente o procuravam para ouvi-lo. E era grande o seu repertório, afora as que arquitetava de improviso e que contava com aquela calma e simplicidade que lhes eram características e próprias dos espíritos pacatos e das consciências tranquilas.
Nesse ambiente tranquilo e de alegre fraternidade vivia João Popinhak, a todos distribuindo bondade. A sua mesa sentou-se muitos necessitados e a ninguém jamais negou os favores de seus serviços.
Texto de Juvenal B. Bacelar
Colaboração de Sebastião Luiz Alves

Nenhum comentário:

Postar um comentário