quinta-feira, 23 de maio de 2013

Hélio Anjos Ortiz


          Nasceu em 7 de janeiro de 1928, (Filho de Celina e Felisbino Alves Ortiz), Hélio cresceu e se aprimorou, trazendo para nossa terra à gloria em tê-lo como filho. Aonde quer que estivesse, guiava seus atos pela pureza de sua alma e pela grandeza de sua consciência. 
         Teve uma infância feliz, apesar de ser retraído. Estudou no colégio Santa Terezinha, onde fez o curso primário. Demostrou sempre seu afeto às irmãs da sagrada família, por não haver aqui continuidade escolar, viu-se obrigado a estudar em outra cidade.
             Sua avó maternal que residia na cidade de Caçador e foi para lá que seus pais o levaram. Ficou algum tempo com ela, depois para o internato naquela mesma cidade, pois não conseguiu se adaptar.
           Anos mais tarde escreveu: Em 1939, deixei o lar paterno em busca do mundo maravilhoso do saber, mas o que sabia eu com onze anos de idade? Filho mimado e assustava-me a distância que separava de meus progenitores. Tive uma educação útil na formação de bom cidadão. Valeu-me muito a energia do meu pai.
           Era pioneiro, pois naquela época quase ninguém queria que seus filhos estudassem. Ele não media dificuldades. Seu filho deveria ser o que para ele já era impossível adquirir. Imagine-se o valor desse cidadão. Compreendeu que no futuro seria um homem culto, Estimulou-me, soube transmitir com palavras simples, mais carinhosa, toda a sua ambição. Estudei com afinco, estava vencida a primeira batalha.

Faculdade e Trabalho - Com vontade inabalável, estudou muito, até ingressar na faculdade de medicina do Paraná. Dedicou-se com severidade aos livros. Pensava antes de tudo em proporcionar a seus pais a alegria de sua formatura, entre as alunas da faculdade uma lhe chamou a atenção. Era Maria Elita, que cursava Odontológico e muito se identificava com ele. Eles casaram em 31 de março de 1951. Anos depois mais precisamente em 15 de Dezembro de 1953, a Universidade Federal do Paraná se engalanava para diplomar os novos formados, lá estava entre eles, o exemplo de trabalho, humildade e perseverança, cujo nome era: Dr. Hélio Anjos Ortiz, e Curitibanos o recebeu com orgulho.
         No entanto permaneceu aqui pouco tempo, foi para São Paulo, a grande metrópole, para um maior aperfeiçoamento de sua profissão. Residiu por alguns meses, retornou ao nosso estado, indo trabalhar no Hospital São Francisco de Concórdia. Em seguida mudou para ser o médico das indústrias Klabin em Monte Alegre.
         Em 1958, após um exaustivo trabalho decidiu voltar à sua terra. Parecem amargas as suas palavras quando escreveu: O grande passo da faculdade da vida prática foi para mim, um acontecimento que calou profundamente meu espírito. Do início depende a rota que iremos trilhar. Somente o nosso espírito poderá ser o verdadeiro orientador. Hoje, que alguns anos são passados, posso com orgulho dizer que escolhi o cominho mais árduo, mas o que proporciona ao meu espírito uma paz que poucos podem gozar. O dinheiro nunca me seduziu. Mesmo no início, lutando com as maiores dificuldades, jamais me utilizei de recursos escusos para multiplicar meus poucos rendimentos, da ajuda financeira de meu pai e tampouco executei algum aborto.
         Dr. Hélio abriu seu consultório e iniciou seu verdadeiro sacerdócio, pontilhado de bondade e amor ao próximo. Atendia sem olhar a classe social, muito menos o pagamento de consulta. Quando no Cargo de Secretário Estadual de Saúde, era comum ver dezenas de pessoas fazer fila para consultar, ficando até altas horas atendendo a população. Não se esquecendo de citar que, quando não tinha o medicamento (Amostra Grátis), escrevia uma ordem aos proprietários das farmácias, que fornecesse e colocasse em sua conta pessoal.

Político - Muitos amigos vendo nele a esperança jovem, aos problemas comunitários o convidaram para ser candidato ao cargo de Prefeito. E assim entrou para a politica. Prefeito pela primeira vez em 1961 a 1966 e 1970 a 1973. É convidado pelo governador ao cargo de Secretario de Estado da Saúde, aceitou-o, priorizou as falta de estrutura na saúde em todas as regiões de Santa Catarina.
           Também trabalhou afinco na construção de um hospital que suprisse às necessidades de nossa cidade e região, realizou o objetivo. Após exames, internou-se no hospital especializado em coração em São Paulo para uma simples cirurgia, acontece o imprevisto, houve complicações, vindo a falecer no dia 13 de Março de 1978.

Resumo atualizado do livro: Memórias de Coracy Pires de Almeida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário